Tristeza, fadiga e diminuição do interesse sexual: quando esses sintomas surgem, é sinal de que os hormônios masculinos precisam de atenção!

Embora ainda seja vista com desconfiança por alguns homens, a reposição hormonal muitas vezes se faz necessária para controlar a queda dos índices de testosterona — efeito que acontece durante a andropausa. Ao investir no tratamento, o indivíduo consegue se livrar dos incômodos sintomas, além de alcançar maior disposição e qualidade de vida.

Ficou interessado? Para tirar as suas dúvidas, reunimos neste post tudo o que você precisa saber sobre o processo de reposição dos hormônios masculinos: como funciona e quais são as suas indicações. Siga a leitura!

Qual a importância de controlar os hormônios masculinos?

Você já ouviu falar na andropausa? Similar à menopausa das mulheres, esse período, muito comum na vida dos homens a partir dos 40 anos, é marcado pela diminuição da produção da testosterona, o hormônio sexual masculino.

Nos homens, esse componente é responsável por determinar algumas características físicas e também comportamentais, como engrossamento da voz, aumento da massa muscular, crescimento dos pelos e estimulação do desejo sexual.

Quando o corpo para de produzir a testosterona, podemos afirmar que o indivíduo entrou na fase da andropausa ou, em linguagem médica, tem início a deficiência androgênica do envelhecimento masculino (DAEM). Como consequência, os efeitos dessa mudança no organismo podem ser bastante incômodos, causando cansaço, problemas de memória e dificuldade de concentração, além da temida diminuição da libido.

E não acaba por aí! A testosterona, quando encontrada em baixa quantidade no corpo, pode estimular o surgimento de algumas doenças sérias. Como exemplo podemos citar o hipogonadismo — quando os testículos não produzem níveis suficientes de hormônio, prejudicando a produção dos espermatozoides. Com o passar do tempo, e caso a condição não seja tratada, esse quadro pode se agravar, causando infertilidade. Preocupante!

Quando o tratamento deve ser feito?

O tratamento da reposição dos hormônios masculinos é indicado para homens, a partir dos 40 anos, que apresentam os sintomas do desequilíbrio, associados com baixa presença de testosterona no sangue.

Para isso, o indivíduo deve fazer um acompanhamento com médico capacitado, como urologista ou endocrinologista. Durante a consulta, é possível que o profissional solicite alguns exames laboratoriais para analisar a dosagem sanguínea, bem como o eixo hipotalâmico hipofisário gonadal.

Contraindicações

Assim como boa parte dos tratamentos médicos, a reposição hormonal apresenta contraindicações. Em geral, o procedimento não é recomendado para pacientes com câncer de próstata ou nas glândulas das mamas porque, nessas situações, a reposição é capaz de estimular o crescimento de determinados tumores.

Pessoas que têm cardiopatias ou sofrem com limitações nos exercícios físicos também devem evitar o tratamento, uma vez que o método aumenta o risco cardiovascular.

Quais problemas a baixa dosagem hormonal pode causar?

Quando há taxas reduzidas de testosterona no corpo, é possível que o indivíduo sofra com uma série de sintomas e que vão muito além do desinteresse sexual. Conheça os principais:

Perda da libido

A perda da libido é, sem dúvida, o sinal mais evidente de que a testosterona está em falta. Esse sintoma pode ser notado até mesmo com a diminuição da potência sexual ou a dificuldade de ter ereções matinais.

Problemas de memória

A testosterona é uma substância que influencia diretamente o sistema nervoso — e isso inclui as áreas responsáveis pela concentração.

Assim, quando esse hormônio está em baixa quantidade no organismo, o indivíduo começa a apresentar dificuldades para se manter concentrado em uma série de atividades ou para memorizar informações.

Mudanças de humor

Ao atuar no sistema nervoso, a testosterona não afeta somente a memória do homem, como também o seu humor. Isso faz com que muitos pacientes apresentem tristeza excessiva, irritabilidade e mau humor. Se não tratada, a complicação pode evoluir para uma condição ainda mais séria, como a depressão.

Acúmulo de gordura corporal

Infelizmente, os homens que estão enfrentando um desequilíbrio hormonal perderão massa muscular e ganharão mais gordura localizada na barriga e cintura. Com essa mudança, o corpo deixa de utilizar os alimentos para o bom desempenho do músculo, transformando esses nutrientes em gordura.

Quais exames são realizados durante o processo?

Identificar a chegada da menopausa no público feminino é fácil: a menstruação para, e os sintomas dessa nova fase da vida surgem a todo vapor, facilitando a análise médica na hora de solicitar os exames hormonais.

Já para os homens, esses sinais, muitas vezes, não são tão claros, e o check-up acaba ficando em segundo plano. Por essa razão, assim que os sintomas começam a surgir, é o momento de alertar o médico especialista e buscar a causa do problema.

Para fornecer um diagnóstico mais preciso, é importante que o especialista peça alguns exames fundamentais. Dosagem de testosterona, dos hormônios da tireoide e do PSA são alguns exemplos. 

Dosagem de testosterona

A testosterona é o hormônio ideal para promover a massa óssea e muscular nos homens, bem como a libido e os pelos corporais.

Quando o paciente começa a apresentar problemas de ereção, diminuição nos espermatozoides, diabetes e perda da massa muscular, é necessário realizar um exame de dosagem da testosterona, conhecido como testosterona total.

A quantidade do hormônio presente na corrente sanguínea pode variar de pessoa para pessoa. Contudo, a média é de 300 a 900 nanogramas por decilitro de sangue.

Dosagem de hormônios da tireoide

Dentre os exames solicitados, encontra-se o de dosagem dos hormônios da tireoide. Com essa análise sanguínea, há a possibilidade de analisar se o paciente está com problemas de hipertireoidismo ou hipotireoidismo.

Este último surge quando os hormônios produzidos pela tireoide (T3 e T4) estão em baixa quantidade no organismo. O hipertireoidismo, por sua vez, é quando os níveis de T3 e T4 estão altos. Em ambos os casos, os sintomas podem ser confundidos com um quadro de desequilíbrio da testosterona.

Dosagem do PSA

Também existe outro exame bastante solicitado durante essas consultas: o antígeno prostático específico (PSA) — uma proteína que deve ser verificada sempre que o paciente realizar um checkup hormonal.

Sabe o motivo? Simples: a próstata é uma região do corpo masculino que sofre diretamente com os desequilíbrios dos hormônios. Além disso, esse exame é o mais utilizado para prevenir o câncer de próstata.

Após a leitura, ficou evidente a importância de fazer o controle dos hormônios masculinos? Agora, que você já se aprofundou no assunto, aproveite também para conferir outro post nosso sobre o que causa baixa libido masculina.