otoplastia — a cirurgia para correção das orelhas — é um anseio para todos aqueles que se sentem constrangidos desde a infância. Afinal, é nessa fase tão delicada da vida que muitos começam a sofrer com os apelidos e as gozações por ter orelhas grandes ou salientes.

Assim, ao deixar as orelhas com formato mais harmônico, a otoplastia é capaz de devolver a autoestima ao paciente. O procedimento é considerado seguro e pode ser realizado até mesmo em crianças, evitando que elas fiquem expostas aos danos psicológicos decorrentes do bullying.

Quer saber mais sobre a otoplastia e descobrir se essa cirurgia é uma boa opção para você ou alguém da sua família? Acompanhe este post!

Indicações e contraindicações da otoplastia

A cirurgia plástica nas orelhas apresenta duas indicações principais. A primeira delas é a correção de alterações que surgem ainda no desenvolvimento intrauterino e se acentuam com o crescimento da criança.

A outra indicação é o tratamento de deformidades causadas por traumas. Assim, a otoplastia pode ser usada para corrigir:

  • orelhas muito grandes;
  • orelhas salientes (também conhecidas como “orelhas de abano”);
  • insatisfação com resultados de cirurgias anteriores;
  • lesões no lóbulo;
  • assimetria entre as orelhas.

A otoplastia pode ser realizada em crianças a partir dos 6 anos, idade na qual o pavilhão auricular já está completamente desenvolvido. A cirurgia, no entanto, não é indicada para portadores de infecções crônicas no ouvido, uma vez que há maior risco de infecção no corte cirúrgico.

Não existe uma idade limite para o remodelamento da cartilagem da orelha. Assim, adolescentes e adultos também podem se submeter à otoplastia, desde que:

  • estejam fisicamente saudáveis;
  • não tenham doenças que prejudiquem a cicatrização;
  • não sejam fumantes ou parem de fumar bem antes do procedimento;
  • tenham expectativas realistas em relação aos resultados que podem ser alcançados.

Algumas condições impedem temporariamente a realização da otoplastia. É o caso de infecções como gripes intensas e amigdalites. Já os portadores de males como a diabetes e hipertensão precisam ter as doenças sob controle antes de partir para o centro cirúrgico.

Cuidados pré-operatórios

primeira consulta com o cirurgião plástico é muito importante para esclarecer as dúvidas sobre a otoplastia bem como para receber as orientações pré-operatórias. Nela, o médico faz uma avaliação clínica completa do paciente e solicita alguns exames, tais como hemograma e coagulograma, para garantir a segurança durante o procedimento.

Antes da cirurgia, é importante seguir algumas recomendações:

  • realizar jejum de 8 horas;
  • lavar os cabelos;
  • evitar medicamentos ou outras substâncias com ação anticoagulante;
  • informar ao médico a ocorrência de infecções;
  • interromper o fumo ao menos 2 semanas antes da intervenção.

Como é feita a cirurgia

O primeiro passo da cirurgia é a anestesia. Normalmente, as crianças recebem anestesia geral. Já em adolescentes e adultos, é usada a anestesia local com sedação. O procedimento leva de 20 a 90 minutos, dependendo se a intervenção é realizada em uma ou ambas as orelhas.

O tipo mais comum de otoplastia é aquele realizado para corrigir as orelhas de abano. Em geral, o cirurgião plástico faz uma incisão na parte de trás da orelha para extrair ou raspar parte da cartilagem. Em alguns casos, apenas a utilização de suturas é suficiente para reduzir a proeminência das orelhas.

Para fechar as lesões, uma sutura não removível é usada internamente para manter a cartilagem recém-moldada em seu lugar. Externamente, são feitos pontos que podem ser removidos de 10 a 15 dias após a cirurgia.

A cirurgia plástica das orelhas também pode ser usada para fechar rasgos nos lóbulos, como aqueles gerados pelo uso de alargadores. A cirurgia de lóbulo ou lobuloplástia, é considerada um procedimento ainda mais simples do que aquele que descrevemos anteriormente e permite a realização de um novo furo nas orelhas após a completa cicatrização.

O tempo médio de internação de uma otoplastia varia de 8 a 12 horas. No final do procedimento, é feito um curativo com pomada cicatrizante e gaze. Ele deve ser mantido por um período de 24 a 48 horas, sendo removido apenas pelo cirurgião plástico.

Recuperação após a otoplastia

No pós-operatório, é comum que o paciente apresente inchaço e manchas roxas na região operada. Esses sinais tendem a desaparecer completamente em até 3 semanas. Para diminuir o desconforto, o médico pode receitar analgésicos.

Durante a recuperação da cirurgia para correção das orelhas de abano, é preciso usar uma bandagem elástica por até um mês. Essa faixa tem como objetivo manter as orelhas no lugar e só deve ser retirada para o banho.

O paciente pode sentir coceira sob os curativos. É muito importante evitar coçar a região para não retardar o processo de cicatrização nem provocar infecções. É preciso ter cuidado também com traumas nas orelhas. Por isso, recomenda-se que as crianças aguardem uma semana para voltar a frequentar a escola. Já os adultos, podem retomar as atividades cotidianas 2 dias após a cirurgia.

Os resultados definitivos são vistos cerca de 6 meses depois da otoplastia, quando o inchaço já desapareceu completamente. Porém, é possível perceber as mudanças imediatamente após a retirada do curativo.

Riscos do procedimento

Durante a fase de preparação para a otoplastia, é importante discutir com o médico os prováveis resultados da cirurgia, bem como avaliar seus riscos. Quando a intervenção é realizada por um cirurgião plástico capacitado e os cuidados pós-operatórios são seguidos à risca, as chances de complicações são pequenas.

Porém, como qualquer cirurgia, a otoplastia apresenta alguns riscos. Entre eles, podemos destacar:

  • os resultados não ficarem como o esperado;
  • sangramentos e hematomas;
  • problemas de cicatrização;
  • infecção no corte;
  • alteração de sensibilidade;
  • alergia ao material de sutura;
  • dor persistente.

Em poucos casos, as orelhas não ficam simétricas e uma nova cirurgia é recomendada para corrigir o problema. Quando a otoplastia é usada para reconstruir uma orelha em virtude de trauma ou defeito congênito, podem ser necessárias várias intervenções até alcançar o resultado final.

Pronto! Agora você já tem as principais informações sobre a otoplastia. Essa cirurgia simples e segura pode ser a solução para aqueles pacientes que evitam usar os cabelos presos ou sofrem constantemente gozações dos colegar por causa das orelhas salientes.

Se você ou alguém da sua família está descontente com o formato das orelhas ou quer evitar traumas psicológicos, entre em contato conosco e saiba mais sobre a otoplastia ou outras cirurgias plásticas.